domingo, 24 de agosto de 2008

a primeira...

O dia de amar

Toda manhã, outra vez acordo
Para uma realidade que não
É minha, apenas um prisioneiro.
Entretanto, com um singelo olhar
Vejo uma alma alegrar-me
Pela beleza do andar e
A fineza de falar, então
O amor dominou-me,
Acorrentado pela paixão,
Agora nocauteado,
Estupefato!

É verdade, o karma acompanha-me
O amor que via, eu não consigo apanhá-lo
Tudo faço, mas só o perdia de perto de mim
Desfez-se como a fumaça do meu cigarro
E sumiu da minha vista.

Meu amor ainda continua alimentado,
Pela sua imagem, em minha mente
Ébria dos cálices que tomei.

Entre os delírios álcool, vejo minha dama retornar
Dar-me um sorriso e apenas um oi,
Tornei-me a encher-me de alegria e paixão
Pelo simples ato de uma palavra.

E agora volto a dormir e a pensar o dia que a jovem
Abraçará meu amor e beijará minha boca com sofreguidão!

Um comentário:

Bruno disse...

koeeeh toiinho
toinho naaum
robespierre amador!
teu blog tah show lek
continue assim e vc vai longe
abraçaum do seu amigo peniinha!